Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Literatura’

Extremely Wild

Gosto muito de lembrar da minha infância. Não só das coisas boas, ser criança é muito mais que isso. Como tudo na vida ainda é novo, tudo é muito importante. Depois que nós crescemos, muita coisa vira banal. Mas pra criança, não. Tudo é pra sempre, é grande, grave.

Quando brigava com meu irmão, eu pensava que nunca mais ia falar com ele. Imaginava que meus filhos não saberiam que tinham um tio. Era um ressentimento eterno, mesmo que acabasse quando ele me chamava pra ver alguma coisa que ele descobriu no quintal. Também lembro de quando tinha 9 anos e minha prima Joyce era recém nascida. Uma vez, ela caiu do sofá, chorou e eu não fiz nada, fiquei parada. Quando minha avó viu a cena, pegou minha prima no colo me olhando como se eu fosse a pior das criaturas. E foi assim que eu me senti durante horas.

Um dia, estava pensando como era bom comer pão com margarina e, quanto mais margarina colocava, mais gostoso. Pensei então que seria incrível comer margarina pura, enchi uma colher e coloquei na boca. Lembro do gosto até hoje. Às vezes eu ficava deitada na cama prendendo a respiração e tentando pensar em nada para ver como seria morrer. “Será que é assim? Não! Eu pensei, não pode pensar. Droga!” Eu achava muito legal ver meu pai fazendo a barba e fiz uma vez. Eu sentia agonia por não lembrar de quando eu era bebê. Eu não gostava de sentir a respiração da minha mãe no meu rosto enquanto ela me maquiava pra apresentação de balé. Então ela ria e fingia que pegava fôlego pra não respirar enquanto me pintava. Disso eu gostava.

Todas essas lembranças estão muito frescas pra mim, assim como eu lembro do meu aniversário esse ano. A maioria das pessoas se esqueceu de sua infância, e isso é triste.

Felizmente, nem todas. Jonathan Safran Foer, Maurice Sendak e Spike Jonze se lembram exatamente de como é ser criança.

O primeiro é o autor de um livro extremamente incrível.

Extremamente Alto & Incrivelmente Perto

Algumas pessoas têm mania de sublinhar uma frase ou um trecho interessante que se destaca do livro. Se você for assim, esquece disso ou vai rabiscar o livro inteiro.

Os outros dois são, respectivamente, o autor do livro e o diretor do filme Onde Vivem os Monstros. Acho que é a melhor forma de explicar sentimentos e pensamentos complexos demais para um adulto.

Trailer de “Onde Vivem os Montros”

Já leram? Já viram? Vale a pena, mesmo que você já tenha esquecido de tudo. Talvez ajude a parar de dizer “cadê meu beijo?” para as outras crianças. Isso era a pior coisa que a gente podia ouvir aos 5 anos, não lembra?

Priscila Midori Shiota da Silva Xavier Chicota (esse era meu nome quando criança) queria ser bailarina e sereia.

Read Full Post »